Sem desculpas para escrever errado

Vivemos na era dos blogs.  A maioria das informações consumidas é acessada nestas páginas, que são produzidas por grandes personalidades, jornalista e escritores. Na verdade, a enorme parte destes textos é escrito por gente comum, isto é, qualquer indivíduo letrado que acredita que possui alguma coisa interessante par divulgar a milhares de outras pessoas.

Exatamente por isso, vemos bastantes erros da língua portuguesa no mundo digital. Alguns internautas alegam que o fato se deve pela rapidez do meio, já outros, como eu, acreditam apenas que muitos brasileiros alfabetizados não têm um domínio de escrita sobre o seu próprio idioma.

Existe sempre aquela dúvida de colocar ou não a crase ou saber se determinada palavra tem hífen, ainda mais após a assinatura do novo acordo ortográfica. Em agosto de 2010, o governo do Rio de Janeiro publicou uma lei que determinava a criação de um Plantão Gramatical de Língua Portuguesa no estado. A secretaria estadual de Educação seria a responsável pelo serviço, que disponibilizaria oito professores de segunda a sexta, das 8h às 18h, para o atendimento das dúvidas pelo telefone. Contudo, o andamento da ideia dependia também de convênios com instituições públicas e privadas para a implementação do sistema. O plano até hoje não entrou em vigor e não tem prazo para começar a funcionar.

Não seria ótimo contar com profissionais a sua disposição para lhes tirar dúvidas de ortografia, acentuação, concordância verbal e nominal, regência, sintaxe e morfologia?

O Telegramática já existe em outras cidades, a pioneira no Brasil foi Fortaleza (CE), que recebe, em média, 150 ligações diárias no plantão. O serviço também atinge Curitiba (PR), Brasília (DF), Jundiaí (SP) e Londrina (PR). O melhor exemplo é o da capital paranaense, que expandiu o atendimento de 8h às 12h e de 14h às 18h para a internet, por meio do portal Cidade do Conhecimento, no qual também é possível solucionar dúvidas por e-mail. Na região, o disque-dúvida já tem mais de 20 anos e atende 65.000 pessoas anualmente. A ideia não é tão original quando parece, a mecânica de solucionar questões pelo telefone foi inspirada no americano Grammar Phone, criado nos anos 70.

Por que será que é tão difícil concretizar o mesmo plano no Rio de Janeiro? O texto da lei 5.798, que determina a criação do plantão, tinha sido vetado pelo governador Sérgio Cabral, mas foi promulgado pela Assembléia Legislativa (Alerj). Por outro lado, a secretária responsável alegou que não possuía recursos para a realização do projeto. Eu acredito que seja, apenas, um desinteresse do governador na melhoria da educação dos seus eleitores.

Enquanto o Telegramática não chega para os cariocas, não custa nada os internautas procurarem na própria web sobre a grafia ou a sintaxe correta das palavras e sempre reler e revisar o texto antes de “divulgá-lo”. Acima de tudo devemos ler bastante, afinal para ser um bom produtor de textos é necessário colher antes muitas safras.

Anúncios

Sobre Letícia Alassë

Jornalista formada pela Universidade Federal Fluminense, Editora e Crítica do blog Centro do Cinema e Translação de Culturas e idealista por convicção. Aos 27 anos tenta descobrir a melhor maneira para viver.

Publicado em 14/07/2011, em Língua e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: