Curta-metragem de animação (Oscar 2012)

Uma das categorias que passam batidas durante a cerimônia do Oscar são as dos curtas-metragens. Por acaso alguém dá atenção a essas  pequenas produções?  Quais diretores estão concorrendo por melhor filme, animação ou documentário? Sabemos que são muitas categorias, 24, e estas três são, pela maioria das pessoas, consideradas obra de amadores. Afinal, se é para fazer um filme, que consuma pelo menos uma hora da vida do espectador, não é mesmo?  Não. Muitos longas por aí poderiam ser resumidos em poucos minutos cortando os diálogos arrastados, as cenas de paisagem, etc. Transmitir uma mensagem em pouco tempo é mais difícil do que ter duas horas para tentar envolver o público e, às vezes, não conseguir.

Sou grande fã de filmes de curta-metragem, por isso resolvi trazer a seleção feita pelos críticos de Hollywood este ano. Estão concorrendo a melhor animação dois curtas americanos, dois canadenses e um do Reino Unido. Qual deles têm mais chances de levar a estatueta?

1. Dimanche (Canadá, 2011)

A animação de Patrick Doyon conta a história, sob a perspectiva de um garotinho, de um domingo comum. O dia do menino é composto por ir à igreja e visitar a casa da avó, no entanto, a passagem do trem é o seu maior divertimento durante o período. Com um tom inocente, o diretor tenta transmitir a essência de um domingo monótono e maçante para uma criança. A proposta singela de Doyon acaba por se tornar arrastada e sem atrativos, até pelos traços disformes e as cores opacas do filme. Os 10 minutos de narrativa parecem durar mais do que o necessário.

2. Wild Life (Canadá, 2011)

Produzido também no Canadá, o filme de Amanda Forbis e Wendy Tilby apresenta a aventura de um entusiasmado jovem inglês que vai para o Canadá com intuito de se tornar fazendeiro. A mudança par o Novo Mundo, no entanto, não é exatamente como o esperado e o ativo homem tem dificuldades para lidar com as diferença climáticas e a saudade de casa. Suponho que a indicação ao Oscar se deve pela temática da exploração do novo continente pelos ingleses em 1909 e o tom emocional relacionados às belezas da vida no campo e aos seus riscos.

3. The Fantastic Flying Books of Morris Lessmore (EUA, 2011)

Favorito ao Oscar, a obra de Brandon Oldenburg e Willian Joyce, ex-animadores da Pixar, conta a lúdica história de Morris Lessmore que é levado, após uma tempestade, para um estranho lugar onde os livros têm vida e voam. O curta é uma linda metáfora sobre a relação dos homens com os livros e mostra os poderes que a leitura tem sobre nós. Com certeza, esta ode a literatura arrematará o máximo prêmio do cinema. Produzido pelo estúdio moonbot, a animação também ganhou uma aplicativo interativo disponível na App Store.

4. La Luna (EUA, 2011)

Do estúdio Pixar, o curta de Enrico Casarosa relata uma fábula de descobertas de um menino. Quando é levador pela primeira vez  pelo pai e o avô ao trabalho deles, o menino estranha ficar dentro de barco a remo parado em pleno alto mar esperando.  Para a sua surpresa,  o menino descobre que sua família possui um trabalho incomum e começa a se indagar se seguirá o caminho dos pais ou romperá com as tradições. La Luna passou no Brasil no Festival Anima Mundi 2011.Veja o trailer de 30 segundos.

5. A Morning Stroll (Reino Unido, 2011)

O último curta indicado é de Grant Orchard, que conta a história do encontro de um homem com uma galinha durante uma caminhada pelas ruas de Nova York. A cena passar por 100 anos da sociedade, mostrando as diferenças dos costumes humanos. O curta é vagamente baseado em um fato real, narrado no livro de Paul Aster, “True Tales of American Life”.  A Morning Stroll passou aqui no fim de 2011, durante o Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro, com o nome “Uma Caminhada Matinal”. Veja o trailer de 3o segundos.

E aí, o que acharam da seleção?

About these ads

Sobre Letícia Alassë

Jornalista formada pela Universidade Federal Fluminense, Crítica de Cinema do portal Núcleo do Cinema, Crítica Literária por experiência desde os quatro anos de idade; e idealista por convicção. Aos 24 anos tenta descobrir a melhor forma para viver.

Publicado em 28/01/2012, em Cinema e marcado como , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 1 Comentário.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 175 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: